ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Emoção e dor no sepultamento de Davi Machado de Abrantes, filho do empresário Jáder Machado e da comerciante Gilda Abrantes

Written By itabaiana noticia on segunda-feira, 27 de junho de 2016 | 17:56


Muita dor e comoção durante o velório e sepultamento de Davi Machado de Abrantes quinta-feira (23) de junho em Sousa-PB. Davi Machado de Abrantes faleceu às 02h da madrugada do dia 23 de junho no Hospital Santa Terezinha em Sousa-PB aos 30 anos de idade, vítima de infecção pulmonar. Davi era filho do empresário Jáder Machado e da comerciante Gilda Abrantes. Davi era neto de Miro Machado e Mundica Emídio de saudosa memória e do Sr. José Duque e Necy Abrantes e irmão do empresário Jonatan Machado de Abrantes (sócio proprietário da Empresa Miro Constrói). Ele era um jovem empreendedor, fiel torcedor do Corinthians, guerreiro, baladeiro, de bem com a vida e sócio proprietário da empresa Miro Motopeças e Serviços.

Davi tem origem no nome hebraico Dawid, Dawídh, que significa "o amado", "querido", "predileto". Davi foi o mais famoso Rei de Israel, onde reinou durante o século 10 a.C. Ele foi responsável pela expansão da sua nação. Davi Machado de Abrantes foi amado e querido aqui na terra.

Durante o velório o ancião Tibúrcio Gomes Machado, membro das Testemunhas de Jeová, fez um discurso destacando que as testemunhas de Jeová acreditam que após a morte, as pessoas entram em um estado de inconsciência no qual permanecem até serem ressuscitados por Deus em um novo corpo. Essa crença nasceu do disposto em Eclesiastes 9:5: "Os vivos sabem que morrerão mas os mortos não tem consciência de nada". De acordo com as Testemunhas de Jeová, Deus pode ressuscitar o falecido em um paraíso na Terra ou no Céu, dependendo do merecimento da pessoa pelas coisas que fez enquanto vivia.

AUTORIDADES POLÍTICAS DA REGIÃO PRESENTES AO SEPULTAMENTO

Entre as personalidades políticas que foram prestar as últimas homenagens a Davi estavam o ex-prefeito de Vieirópolis, empresário Célio da Usina; ex-prefeito de Vieirópolis, Dr. Marcos Pereira de Oliveira; vice-prefeito de Vieirópolis, Zé de Miro/Marido Desterro Oliveira; presidente da Câmara Municipal de Vieirópolis, Hélio Reginaldo Dias; ex-vice- prefeito e ex-vereador de Sousa, advogado Francisco Valdemiro Gomes (Chiquinho do PT)/Francisca Sena; pré-candidata a vice-prefeita de Vieirópolis, professora Kátia Maria Pinto de Oliveira; pré-candidata a vice-prefeita de Poço Dantas-PB, vereadora do PSB, Maria Eva de Sousa Lira; ex-vice- prefeita de Vieirópolis, empresária Francimar Barbosa; vereador de Luís Gomes-RN, José Abrantes Barbosa, ex-vice- prefeita de Luís Gomes-RN, Dra. Antonia Gomes Abrantes Barbosa; vereadores Antonio Adelino de Oliveira Neto (Neto de Santa); Luzia; Tico de Neco; Eliberto Abrantes e Vando; ex-vereador Dá de Antônio Emídio; ex-vereador Chico de Nonato/Margarete Moreira e o secretário de Planejamento da Prefeitura Municipal de Sousa, professor Antonio Nóbrega Gadelha Queiroga.

Ainda foram prestar as últimas homenagens a Davi Machado de Abrantes diretor presidente do Grupo Pai Assis (Posto, Pousada e Autopeças), empresário Azarias Duque de Abrantes/Erivan Barreto; sócio e tesoureiro do Posto pai Assis, Albenides Duque de Abrantes/comerciante Goreti Moreira; empresário e agropecuarista Valdeci Emídio Gomes/comerciante Zeffinha Abrantes; Dr. Antonio Eneas de Brito/Gilma Abrantes; Dr. Pedro Abrantes de Oliveira/Creusa Abrantes; Dra. Tamara Abrantes; Dr. Ramon Barreto de Abrantes/Jéssica Abrantes; empresário José Carlos Barbosa; cirurgião-dentista Lázaro Soares Santos/cirurgiã-dentista Wilma Abrantes Brito; fisioterapeuta Sostenys Abrantes Brito; Ênio Abrantes Brito; Demóstenes Fernandes/assistente social e estudante de Farmácia, Allane Abrantes; professor da UFCG, Paulo Abrantes de Oliveira; farmacêutico bioquímico Bruno Abrantes Barbosa; músico, comunicador e proprietário da Banda  Gilson & Mania, Gilson Abrantes e o professor universitário Afrânio Abrantes Souto/estudante de Direito Lú Sousa.; estudante de Psicologia. Polliany Abrantes e estudante de Piscologia, Mônica Abrantes.

Ainda foram prestar as últimas homenagens a Davi, contador, bancário e comerciante Allan Gonçalves/enfermeira, secretária de Turismo de Vieirópolis, Mayanne Gomes de Abrantes; diretor adjunto da Rádio Líder Rafael Estrela/enfermeira e sócia proprietária da Finos & Lindos, Marise Gomes de Abrantes; empresário Esdras Batista; empresário Manassés Batista; servidor federal João Batista Gomes de Abrantes; Waldirene Gomes de Abrantes; advogada Luci Sena; advogado João Paulo Estrela/Ihane Leite; advogado, jornalista e servidor público, Abdias Duque de Abrantes; Bela Batista; Janete Batista; Maristela Batista; Sra. Mariquinha Batista; capitão Eugênio Fernandes Vieira/ professora Heline Oliveira Gomes; Chico Barbosa; comerciante Geraldo Machado; Fábio Machado.

Graça Emídio Gomes; comerciante Iordan Alves; artesão Duda Pedro; Chico Barbosa; representante comercial Naldinho Abrantes; empreendedor Adriano Barbosa/Vanuzia Gomes; Gionava Abrantes; Gineide Abrantes; estudante de Engenharia Civil, Leidson Abrantes; estudante de Arquitetura, Letícia Abrantes; comerciante Paulo Sarmento/farmacêutica Vera Lúcia Moreira;

Foram dar o último adeus a Davi Machado de Abrantes o comerciante Ananias Duque de Abrantes (Sousa Pharma)/Zenilda Souto; assistente social Simony Abrantes Fontes; empresário Ailton da Dino Cocos; empresário Dênis Abrantes (Dino Cocos)/estudante de Farmácia, Maylla Abrantes; empresário João Batista Alves da Silva/servidora pública Gidete Abrantes; empresário Cizinho Vieira ( Mercantil Vieira); comerciante Galego Pedro/servidora pública Geórgia Abrantes; Açucena Moreira; comerciante Juraci Pedro/Leda Gomes e o comerciante Gilvan Pedro/ Jailma Andrade.

Estiveram presentes nas homenagens póstumas Hélder Braga; o estudante de medicina Higor Barreto de Abrantes/estudante de medicina Bruna Oliveira; Tiquinha Abrantes; professora Josenilda Abrantes; Ronan Guilherme; engenheiro agrônomo, Aubigne Abrantes Fontes; comerciante Eduardo Estrela/agente comunitário de saúde Verônica comerciante Nêgo Barbosa/Francisca Abrantes; presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais, Joaquim Nunes; poeta Raimundo Nonato; comerciante João Pedro; Oficial de Justiça, Eligidério Gadelha; Pedro de Joaquim Pedro; Socorro Abrantes; José Netto; comerciante Juscelio Antunes / Valquíria Moreira; comerciante Daniel Machado/Narinha Nunes; Acilon Duque/ Corrinha Moreira; Adonias Duque de Abrantes/conselheira tutelar Aparecida Oliveira; comerciante Joaquim Barbosa; Marcelo Moreira; Juscélio Abrantes; Nen Epifânio; professora Maria Souto; Agente Comunitário de Saúde, Lúcia Souto, dentre outros parentes e amigos.

Apagão em Brasília suspende depoimentos na Comissão do Impeachment no Senado


O incêndio em uma subestação da Companhia Energética de Brasília deixou hoje (27) o Senado completamente sem luz e provocou o encerramento antecipado dos trabalhos da Comissão Processante do Impeachment. As duas testemunhas de defesa da presidenta Dilma Rousseff que ainda deveriam ser ouvidas nesta segunda-feira deverão retornar para depoimentos amanhã (28).

Os senadores tinham acabado de começar a oitiva da ex-secretária executiva do Ministério do Desenvolvimento Agrário, Maria Fernanda Ramos Coelho, segunda a falar no dia, quando a luz caiu e não voltou mais.

Momentos antes, enquanto ainda ouviam a primeira testemunha, o ex-ministro do Desenvolvimento Agrário, Patrus Ananias, um apagão já tinha ocorrido, mas a energia voltou alguns minutos depois, garantindo tempo para conclusão do depoimento dele e início do da ex-secretária.

Nas duas vezes em que a luz acabou, a comissão foi mantida com energia de geradores, mas não foi possível continuar os trabalhos até o fim. “Só tínhamos mais seis minutos de autonomia”, explicou o senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) ao deixar a sala da comissão e seguir pelo túnel do tempo do Senado em completa escuridão, com o auxílio apenas de lanternas de celulares.

Por meio de nota, o Senado informou sobre o primeiro apagão que a ala onde se realizavam os trabalhos da comissão é alimentada por no-break com autonomia para até uma hora de falta de energia elétrica”. Ainda segundo a nota, não houve relatos de panes em equipamentos e sistemas da Casa.

Com exceção das portarias de entrada e saída, os ambientes internos do prédio do Senado, incluindo plenários, gabinetes, corredores escadas, não dispunham de qualquer iluminação de emergência. A escuridão foi total, o que dificultou o trânsito de pessoas que circulam pela Casa.

O incêndio ocorreu em um transformador da subestação Brasília Centro, da Companhia Energética de Brasília (CEB). A subestação fica próxima do Palácio do Planalto, no lado norte da cidade. Devido ao incidente, a Esplanada dos Ministérios e o Congresso Nacional ficaram praticamente no escuro no início da noite de hoje. No Palácio do Planalto, ocorreram três quedas de energia em menos de um minuto, mas, agora, a energia voltou ao normal.

Oitiva

Pouco antes do apagão, os senadores concluíram a oitiva do ex-ministro, que foi a primeira testemunha a prestar depoimento hoje. Ele defendeu o governo da presidenta Dilma e disse desconhecer a realização das chamadas “pedaladas fiscais”.

“Eu não tive nenhum conhecimento de pedalada fiscal, até porque é uma expressão que foge à minha cultura jurídica, aos meus conhecimentos. O que tenho conhecimento é que nós viabilizamos, em 2015 para 2016, o Plano Safra, que tem durabilidade de um ano”, afirmou.

Patrus Ananias acrescentou que não tinha relação com os valores a serem repassados para os agricultores, que eram administrados diretamente pelos bancos e que nunca recebeu qualquer alerta do Tribunal de Contas da União (TCU) sobre irregularidades referentes a esse processo.

“Nunca, pessoalmente ou como ministro, recebi qualquer informação do TCU, com o qual sempre mantive uma relação de diálogo, inclusive visitando os ministros e recebendo-os também, sempre buscando orientações. Em nenhum momento, recebi qualquer informe sobre esse aspecto, como também, até onde sei, os órgãos do ministério, nossos órgãos de avaliação, consultoria jurídica, controladoria, até onde estou informado, em nenhum momento, foram esclarecidos sobre isso”, disse.

Para amanhã estão previstas as oitivas das duas testemunhas que deveriam ter falado hoje: Maria Fernanda Ramos Coelho e do diretor do Departamento de Financiamento e Proteção da Produção do Ministério do Desenvolvimento Agrário, João Luiz Guadagnin.

Além deles, as três testemunhas previstas para o dia: os ex-ministros da Defesa, Aldo Rebelo, o ex-advodo-geral da União, Luís Inácio Adams, e o responsável técnico do Conselho Nacional de Justiça para análise de créditos suplementares, Antônio Carlos Stangherlin Rebelo.

Secretaria de Saúde de Cajazeiras realiza inscrições de crianças e gestantes para Caravana do Coração


A equipe da Secretaria de Saúde de Cajazeiras está realizando nesta segunda-feira (27) as inscrições para a Caravana do Coração.

As inscrições são para crianças de zero a doze anos de idade com algum tipo de cardiopatia, sopros, hipertensão, taquicardia, desmaio, etc. Gestantes que tiveram zika, chikungunya ou Dengue também devem procurar a sede da Secretaria de Saúde de Cajazeiras para se inscrever.

A Caravana do Coração é um projeto do Governo do Estado e estará em Cajazeiras no dia 07 de julho.

Governo Federal garante recursos para ações emergenciais da Defesa Civil


Operação de carros-pipa e atendimento a áreas atingidas por desastres naturais estão mantidos

Os recursos para ações de convivência com a seca na região Nordeste, entre eles crédito para a o pagamento da Operação Carro-Pipa Federal, instalação de poços e de adutoras emergenciais foram asseguradas hoje pelo Governo Federal. As demais ações da Defesa Civil, coordenadas pelo Ministério da Integração, como o atendimento às demandas de socorro, assistência, restabelecimento de serviços essenciais e recuperação de áreas atingidas por desastres naturais também terão continuidade.

Para garantir a utilização do instrumento legal mais apropriado, o Ministério da Integração Nacional e o Ministério da Fazenda farão uma consulta formal ao Tribunal de Contas da União.

“Os recursos estão garantidos. Já está combinado com o Tesouro Nacional e o Ministério do Planejamento e estamos trabalhando em parceria com o Tribunal de Contas da União no sentido de garantir um crédito extraordinário, através de uma MP como também de um projeto de lei de urgência, que garanta o aporte para as ações da Defesa Civil”, informou o ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho.

A Operação Carro-Pipa (OCP) Federal beneficia cerca de 3,9 milhões de pessoas que são abastecidas por 6.800 carros-pipa em nove (9) estados da região do semiárido nordestino e da região Norte de Minas Gerais. Desenvolvida por meio de cooperação técnica e financeira entre dois ministérios: Integração Nacional e da Defesa, o programa  – incluindo contratação, seleção, fiscalização e pagamento dos pipeiros – é de responsabilidade do Comando de Operações Terrestres do Exército Brasileiro (COTER).

“Estamos trabalhando para garantir o aporte para o custeio da operação dos cerca de 6.800 carros-pipa que estão espalhados pela região do semiárido como também obras de adutora de engate rápido que estarão viabilizando água para as regiões mais atingidas pela seca no nosso país”, finalizou o ministro Helder Barbalho.

PL de Rômulo determina que motoristas sejam notificados quando não puder dirigir


Uma proposta do deputado federal Rômulo Gouveia (PSD-PB) estabelece que o motorista seja notificado assim que tenha o direito de dirigir suspenso. O parlamentar quer impedir que condutor só descubra que não pode dirigir em abordagem de fiscalização.
 
“Ao serem fiscalizados por agentes do trânsito, muitos condutores deparam-se com a situação inesperada de verem seus documentos de habilitação apreendidos, em razão de terem alcançados o limite de pontos para a aplicação da suspensão do direito de dirigir. Nos casos de não contar com motorista substituto, ainda sofrem o descontentamento de verem o veículo apreendido, o que gera ônus adicionais. Atônitos, inúmeros desses condutores sequer receberam notificação de cometimento de infração, nem tão pouco acerca da aplicação da suspensão do direito de dirigir”, argumentou o deputado, destacando que a medida não pretende proteger o condutor infrator, mas a todos os agentes no trânsito já que ao ser notificado o motorista com os direitos suspensos estarão cientes do impedimento.
 
De acordo com o Código Brasileiro de Trânsito, a contagem de pontos na CNH é feita partir das infrações cometidas pelo motorista. O Código estabelece quatro categorias de infrações: leve, média, grave e gravíssima. Cada infração cometida em um dessas categorias gera uma quantidade de pontos na habilitação.
 
 
Em caso de reincidência de acumulo de pontuação, o prazo de suspensão do documento é maior. Se o motorista que teve a habilitação apreendida for pego dirigindo, este pode ser preso por até um ano, além de passar dois anos sem dirigir e precisar tirar uma nova CNH do zero.

Inquérito sigiloso apura se Renan Calheiros recebeu propina no exterior

Renan Calheiros
A Procuradoria-Geral da República investiga se o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), recebeu propina no exterior por meio do lobista Jorge Luz. O dinheiro seria referente a um negócio da Petrobras na Argentina.
É a primeira frente de investigação da Operação Lava Jato que relaciona Renan a um possível recebimento de vantagem indevida também fora do país. Até então, os relatos contra o peemedebista eram de que ele foi beneficiado de desvios na Petrobras por meio de doações legais ou de dinheiro em espécie.
Também são investigados, no mesmo caso, o senador Jader Barbalho (PMDB-PA) e o deputado Aníbal Gomes (PMDB-CE).
No inquérito sigiloso, ao qual a Folha teve acesso, a Procuradoria escreve: “O repasse de vantagem pecuniária indevida a Renan Calheiros, Jader Barbalho e Aníbal Gomes, por meio de valores em espécie no Brasil ou transferências para contas bancárias no exterior, pode configurar os crimes de corrupção passiva qualificado e de lavagem”.
O despacho é assinado pela vice-procuradora-geral da República, Ela Wiecko, em novembro do ano passado.
A investigação tem como base a delação premiada do lobista Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano. Nela, ele afirmou que a Petrobras vendeu sua participação acionária na empresa argentina Transener mediante o pagamento de propina pelo lobista Jorge Luz.
Segundo o relato, houve o pagamento para que a Petrobras efetuasse a venda a empresários argentinos porque a transação estava acertada com americanos. Em 2007, a Petrobras fechou a venda com a argentina Electroingenería, por US$ 54 milhões.
“Jorge Luz comentou com o depoente que valores seriam destinados, desta operação, para Jader Barbalho e Renan Calheiros”, afirmou Baiano em sua delação.
Baiano disse que Jorge Luz fez pagamentos ao “pessoal do PMDB” no Brasil justamente pelo fato de serem os responsáveis por manter naquela época Nestor Cerveró na diretoria da área Internacional da Petrobras.
Segundo o delator, o então ministro argentino Julio de Vido e o ex-ministro argentino Roberto Dromi participaram da operação. Baiano disse que Dromi foi quem costurou o negócio e que, por isso, acredita que recebeu propina. Mas não sabe se Julio de Vido recebeu dinheiro.
RASTREAMENTO
A Polícia Federal levantou registros da entrada e saída do país de Jorge Luz, seu filho Bruno Luz e outros personagens envolvidos no negócio, como o próprio Baiano.
Agora, os investigadores buscam contas no exterior ligadas a Luz e seu filho para tentar rastrear a propina dessa operação.
Em março, a PF de Brasília enviou um ofício a Curitiba pedindo as informações sobre o lobista. “Solicito a Vossa Excelência seja informado, com base nas investigações levadas a efeito nessa regional, se foi possível identificar alguma conta mantida no exterior que pudesse estar relacionada a Jorge Luz ou ao seu filho Bruno”, diz o ofício.
No mês passado, a PF pediu mais prazo para o inquérito porque a resposta ainda não havia chegado.
Em relação aos deslocamentos, a PF identificou que Cerveró foi à Argentina quatro vezes em 2006 e 2007 antes do negócio ser concretizado –uma delas, em 26 março de 2006, foi para participar de uma reunião com o então ministro Julio de Vido, do governo Néstor Kirchner.
Luz viajou para Buenos Aires em 10 de março de 2006. Ele e o filho ainda têm registradas frequentes viagens a Miami, Europa e, no caso de Bruno, ao Panamá em 2013, conhecido paraíso fiscal.
 
Suporte : A2 Comunicação Visual | Dinho Andrade
Copyright © 2015. Itabaiana é Notícia - Todos os direitos reservados
Template Criado por : Dinho Andrade | A2 Comunicação Visual
Desenvolvido por: Dinho Andrade